Posts

Você sabe como funciona o aterramento?

Assista o vídeo sobre aterramento

O aterramento dos aparelhos eletrônicos é e fundamental para a proteção contra falhas do sistema elétrico. Para compreender a funcionalidade do aterramento e como ele atua, é preciso compreender um pouco sobre o sistema elétrico, uma vez que ele faz parte desse sistema.

De maneira simples o sistema elétrico que chega aos consumidores é composto por dois fios, um neutro e um fase. A eletricidade só existe quando há a diferença de potencial entre dois polos, por isso o fio neutro possui potencial zero e o fio fase é por onde a tensão elétrica passa, de forma que a voltagem é representada pela diferença entre os dois fios. No entanto, o fio neutro pode ter o que é chamado de fugas de energia, ou seja, um pequeno aumento ou escape no potencial desse fio. Alterando o potencial e possibilitando um acumulo de carga nos equipamentos.

Quando acontecem essas fugas a energia resultante delas fica alojada nas extremidades metálicas dos equipamentos. Podemos perceber essa energia ao tocamos um aparelho que sofre uma corrente de fuga, pois levamos um leve choque, já que existe uma diferença de potencial entre o equipamento e nosso corpo. Enquanto para nós essa descarga não apresenta danos significativos à saúde, ela pode danificar os aparelhos por onde passa.

Por sua vez, a terra possuí potencial igual a zero volt absoluto, ou seja, não tem nenhuma carga durante todo o tempo. Assim, ela consegue receber a corrente elétrica de fuga de qualquer aparelho, eliminando a sujeira elétrica desses aparelhos. A ligação com a terra é realizada exatamente para que não haja o acumulo de energia nos equipamentos, de forma que a carga em fuga transite para a terra e não se acumule. Ela é feita a partir de um fio em contato direto com a terra, por isso o nome aterramento.

As instalações elétricas devem ter um sistema de aterramento, que consiste em uma barra cravada na terra e conectada ao sistema através de uma fiação especial. Dessa forma, todas as tomadas possuem o aterramento e quando um equipamento é conectado ele está aterrado. Alguns aparelhos elétricos possuem tomadas com três pinos, um deles é o fase, o outro o neutro e o terceiro, em posição central, é o terra, quando conectado em uma tomada com sistema de aterramento esse pino central é o responsável por dissipar as correntes de fuga do aparelho, protegendo-o.

Aterramento: Definição

Ligação intencional de um equipamento ou sistema à terra através da qual correntes elétricas podem fluir.O aterramento pode ser:

•Funcional: ligação através de um dos condutores do sistema neutro.

• Proteção: ligação à terra das massas e dos elementos condutores estranhos à instalação.

• Temporário: ligação elétrica efetiva com baixa impedância intencional àterra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continuamente durante a intervenção nainstalação elétrica.

Você sabe o que fazer quando a casa não tem ?

 

Saiba mais sobre: Aterramento temporário

Veja também: Aterramento

Aterramento Temporário

aterramento temporario

Aterramento temporário

O trabalho realizado em uma instalação elétrica apresenta diversos riscos para a vida dos trabalhadores, mesmo quando a rede de distribuição está desligada. Isso devido à complexidade dos sistemas e à possibilidade de uma energização acidental, por exemplo, por uma descarga atmosférica ou por algum erro de um dos profissionais envolvidos.

 

 

Assista o vídeo sobre aterramento

Definição de aterramento temporário

Para que seja possível um maior grau de segurança para os trabalhadores é necessário que sejam colocados em prática vários meios de segurança no ambiente de trabalho. Um dos principais é o aterramento temporário do circuito ou do sistema. O aterramento é a ligação do equipamento ou de toda a rede condutora de energia com a terra através de cabos condutores, isso é feito para que seja possível a fuga de corrente para a terra. Dessa maneira, caso existam cargas passando pelo equipamento, em áreas expostas ao contato, elas não são transferidas para o corpo dos trabalhadores, mas sim para a terra.

O aterramento deve ser feito antes e depois do ponto de intervenção do circuito e derivações se houver, salvo quando a intervenção ocorrer no final do trecho. Ou seja, o ponto de trabalho deve ficar isolado. Além disso, o aterramento temporário deve, necessariamente, ter a capacidade de conduzir a máxima potência do sistema.

A energização acidental pode ser causada por:

• Erros na manobra.
• Fechamento de chave seccionadora.
• Contato acidental com outros circuitos energizados, situados ao longo do circuito.
• Tensões induzidas por linhas adjacentes ou que cruzam a rede.
• Fontes de alimentação de terceiros (geradores, Nobreaks, UPS).
• Linhas de distribuição para operações de manutenção e instalação de transformador.
• Torres e cabos de transmissão nas operações de construção de linhas de transmissão.
• Linhas de transmissão nas operações de substituição de torres ou manutenção de componentes da linha.
• Descargas atmosféricas.

Tipos de aterramento temporário

Para cada classe ou tipo de tensão existe um tipo de aterramento temporário. O mais usado em trabalhos de manutenção ou instalação nas linhas de distribuição é um conjunto ou ‘Kit’ padrão composto pelos seguintes elementos:

• vara ou bastão de manobra em material isolante, com cabeçotes de manobra.
• grampos condutores – para conexão do conjunto de aterramento com os condutores e a terra.
• trapézio de suspensão – para elevação do conjunto de grampos à linha e conexão dos cabos de interligação das fases, de material leve e bom condutor, de maneira a permitir a perfeita conexão elétrica e mecânica dos cabos de interligação das fases e descida para terra.
• grampos – para conexão aos condutores e ao ponto de terra.
• cabos de aterramento de cobre, extra flexível e isolado.
• trado ou haste de aterramento – para ligação do conjunto de aterramento com o solo, deve ser dimensionado para propiciar baixa resistência de terra e boa área de contato com o solo.

Nas subestações, por ocasião da manutenção dos componentes, se conecta os componentes do aterramento temporário à malha de aterramento fixa já existente. Todo o aparato de aterramento temporário deve ser removido ao final dos serviços e antes da liberação para energização do circuito.

Matricule-se no curso nr 10 online da Engehall.

Veja também: Aterramento

Conheça também o nosso curso de eletricista

Aterramento IT

Aterramento IT

Esquema IT

No esquema IT não é realizada nenhuma conexão intencional entre o ponto neutro da fonte e a terra, além disso, todas as partes condutoras expostas e estranhas à instalação são ligadas ao eletrodo de terra. Todo circuito tem uma impedância de fuga para a terra, uma vez que nenhuma isolação é perfeita.

As massas da instalação são aterradas, verificando-se as seguintes possibilidades:

– massas aterradas no mesmo eletrodo de aterramento da alimentação, se existente;

– massas aterradas em eletrodo(s) de aterramento próprio(s), seja porque não há eletrodo de aterramento da alimentação, seja porque o eletrodo de aterramento das massas é independente do eletrodo de aterramento da alimentação.

Tipos de aplicação do esquema TI

O neutro pode ser ou não distribuído.

Clique na imagem para ampliar.

Legenda: Sem aterramento da alimentação

Clique na imagem para ampliar.

Legenda: Alimentação aterrada através de impedância.

Clique na imagem para ampliar.

Legenda: Massas aterradas em eletrodos separados e independentes do eletrodo de aterramento da alimentação.

Clique na imagem para ampliar.

Legenda: Massas coletivamente aterradas em eletrodo independente do eletrodo de aterramento da alimentação.

Clique na imagem para ampliar.

Legenda: Massas coletivamente aterradas no mesmo eletrodo da alimentação.

Outros Tipos de Aterramento:

Esquema TT
Esquema TN

Engehall, Curso NR10 é Aqui!

Conheça o curso de eletrisita da engehall: http://www.cursodeeletricista.net/

Aterramento TT

Esquema TT

Em um aterramento no esquema TT um ponto da fonte de alimentação é diretamente aterrado. Por sua vez, todas as partes metálicas expostas do sistema, além de todas aquelas estranhas à instalação são ligadas a um ou mais de um eletrodo de aterramento da alimentação. O eletrodo ao qual as partes são ligadas é independente daquele ligado à fonte, de forma que suas zonas de influência podem se sobrepor sem afetar a operação do dispositivo de proteção.

Clique na imagem para ampliar.

Outros Tipos de Aterramento:

Esquema TN
Esquema IT

Na hora de escolher o seu curso de NR10 procure a Engehall.

Aterramento TN

Aterramento TN

Esquema TN

O esquema TN possui variações para uma melhor aplicabilidade. Nesse esquema, a fonte de alimentação é diretamente aterrada como no esquema TT. Na instalação, todas as partes metálicas expostas e as partes metálicas não pertencentes à instalação são ligadas ao condutor neutro através de condutores de proteção.

Esquema TN-C

Na aplicação desse esquema as funções de neutro e de proteção são combinadas em um único condutor que é designado com PEN (condutor de proteção neutro). Ele requer o estabelecimento de um ambiente equipotencial eficiente com o uso de eletrodos espaçados regularmente. Este esquema não é permitido para condutores de seção inferior a 10mm² e para os equipamentos portáteis e flexíveis. Além disso, ele apresenta características em situações de falha que tornam seu uso proibido em locais onde exista o risco de incêndio.

 

Esquema TN-S

Na configuração desse tipo de esquema os condutores de proteção e o neutro são separados. Quando o sistema possuir cabo enterrado com uma capa de chumbo, na maioria das vezes, o condutor de proteção será essa capa de chumbo. Em circuitos de condutores de cobre com seção inferior a 10mm² e nos condutores de alumínio e em equipamentos móveis 16mm², é obrigatório o uso de condutores separados PE e N (cinco fios).

 

Esquema TN-C-S

Os esquemas TN-C e TN-S podem ser utilizados em uma mesma instalação fazendo com que as funções de neutro e de proteção sejam combinadas em um único condutor. Nessa configuração, o esquema TN-C não deve nunca ser usando à jusante do sistema TN-S. Normalmente, o ponto de separação do condutor PE com o condutor PEN é na origem do sistema.

 

Outros Tipos de Aterramento:

 

 

Aterramento Elétrico [Tudo que você precisa saber]

Aterramento elétrico – Você sabe realmente a importância desse sistema? Nesse artigo iremos mostrar tudo o que você precisa saber a respeito. Continue lendo…

Como fazer um Aterramento elétrico

 

Aterramento Elétrico: O que é ?

Consiste na ligação do sistema e/ou dos equipamentos a terra, através de um componente condutor, para que seja possível o escoamento de cargas de fuga do sistema. Portanto os profissionais ficam protegidos contra choques elétricos acidentais oriundos de falhas ou condições diferentes das normais de trabalho.

Aterramento elétrico é uma das medidas mais seguras quando falamos em atuar com a eletricidade, Assim garante o bom funcionamento das instalações, sem falar que atende as exigências das normas vigentes.

Significado de Aterramento Elétrico segundo a ABNT

Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) aterrar significa colocar instalações e equipamentos no mesmo potencial da terra. Fazendo isso, em casos de uma fuga de corrente elétrica, a eletricidade tende a ir para o menor potencial, ou seja, a terra que tem o potencial próximo de zero.  Finalmente os profissionais ou pessoas que realizam trabalhos ou ficam próximos a  equipamentos energizados não recebem o choque elétrico.

Qual é seu objetivo

Assim, podemos dizer que o objetivo do aterramento pode ser dividido em três partes, sendo:

  • Proteção da integridade dos profissionais da área, usuários e animais;
  • Permitir um  funcionamento adequado dos dispositivos;
  • Realizar a descarga de energia elétrica indesejada das carcaças de equipamentos.

Aterramento Elétrico: Protege a sua integridade física

A maioria das pessoas sabem que o objetivo do sistema de aterramento elétrico é garantir a segurança das pessoas que interajam com a energia elétrica de forma doméstica ou profissional. Esse assunto na abordado na NBR 5410 e também na Norma Regulamentadora NR10.

Um fator muito importante para o bom funcionamento de equipamentos elétricos é o aterramento elétrico

Você sabe como funciona os dispositivos de proteção?

Os fusíveis, disjuntores ou similares, seja por sobrecarga ou corrente de curto circuito, sempre irão depender do aumento da corrente, portanto, caso não exista o sistema de aterramento elétrico, não ocorrerá a vazão corrente elétrica. Se utilizarmos uma geladeira como exemplo, e supondo que seu motor possua uma corrente de fuga e não haja um sistema adequado de aterramento, está sobrecarga será descarregada no momento em que essa pessoa tocar a carcaça e receber o choque que será direcionado para a terra.

Tipos de Aterramento

Funcional

Ligação através de um dos condutores do sistema neutro.

Proteção

Ligação à terra das massas e dos elementos condutores estranhos à instalação.

Temporário

São as ligações da elétrica efetivadas utilizando baixa impedância intencional à terra, a intenção é garantir a equipotencialidade continua durante todas as intervençoes nas instalações elétricas.

São utilizados diferentes esquemas, os métodos apresentados são caracterizados pelo aterramento do neutro da BT de um transformador AT/BT e também das partes metálicas expostas da instalação BT. O uso desses métodos é orientado a partir das medidas necessárias para a proteção contra os riscos de contatos indiretos. Quando necessário, podem ser aplicados mais de um aterramento nas instalações.

Para a construção de um sistema de proteção confiável, é especialmente relevante que os profissionais sejam capacitados e qualificados, devendo ter o curso NR10 e também cursos específicos na área, este serviço não pode ser feito por amadores. Portanto profissionais que estão sempre se atualizando acabam saindo na frente.

Aterramento de acordo com a NBR 5410

Conforme a NBR 5410 Instalações  de baixa tensão devem obedecer, em relação ao aterramentos funcional e de proteção, a 3 (três) esquemas básicos TT, TN e IT, observando a simbologia  conforme abaixo:

Primeira letra –  Alimentação em relação a terra:

T – um ponto que está aterrado diretamente
I – ponto não aterrado

Segunda letra – situação das massas em relação à terra:
T – diretamente aterradas (qualquer ponto)
N – ligadação feito no ponto aterrado de alimentação  (não existe aterramento próprio)
I – As massas são isoladas, e não são aterradas

Outras letras – definem a forma de aterramento da massa, com o aterramento da fonte de alimentação:

S – proteção e neutro (PE) por condutores separados
C – proteção e neutro, são feitos  em apenas um condutor (PEN).

 

Esquemas de aterramento elétrico

Esquema  TN

O esquema TN possui variações para uma melhor aplicabilidade. Conforme este esquema a seguir, você pode observar que a fonte de alimentação deve ser diretamente aterrada como no esquema TT. Outro detalhe é que nesta instalação, as partes metálicas são expostas e as partes metálicas que não pertencem a instalação são conectadas ao condutor neutro pelos condutores que fazem a proteção.

Esquema  TN-C

Esquema de aterramento TN-C

 

Observe que neste esquema as funções de neutro e de proteção são conjugados em somente um condutor que deve ser  nomeado como condutor de proteção neutro que possui a sigla PEN. Ele precisa estabelecer um ambiente equipotencial eficaz com a utilização de eletrodos espaçados regularmente.

É importante destacar que este esquema não é aceito a condutores de seção inferior a 10mm² e para os equipamentos portáteis e flexíveis. Assim, em locais onde existe risco de incêndio o uso é proibido, devido as suas características para estas situações nas instalações elétricas  residenciais e prediais.

Esquema  TN-S

Aterramento tn-s

Para o aterramento TN-S, condutores de proteção e neutro são separados.  Em circuitos elétricos  de cobre com seções menores que 10mm² e também nos condutores de alumínio e em equipamentos móveis 16mm², tem a obrigatoriedade de usar condutores separados PE e N.

 

Esquema TN-C-S

aterramento tn-c-s

 

Podendo ter a sua utilização em uma mesma instalação os esquemas TN-C e TN-S, fazem com que as funções de neutro e de proteção sejam combinadas em um único condutor. Dessa forma, o esquema TN-C não deve jamais ser usando no fluxo do sistema TN-S. A separação do ponto do condutor PE com o condutor PEN normalmente é na origem do sistema.

Existem também:

Esquemas TT
Esquemas TT

Aterramento temporário

É mais comum em redes de distribuição e visa dar maior segurança para os profissionais que atuam na área elétrica. O aterramento é a ligação do equipamento ou de toda a rede condutora de energia elétrica com a terra, através de cabos condutores, isso é necessário para que a fuga de corrente seja direcionada para a terra.

Devido a esse procedimento, na existência de carga elétrica circulando em áreas expostas que possa ocorrer o contato do trabalhador ou terceiros com a energia elétrica, elas são transferidas para a terra evitando o choque elétrico.

Todos os procedimentos de aterramento devem ser realizados antes e depois dos trechos de intervenção do circuito, exceto quando ocorrer no final do trecho. O ponto de trabalho deve sempre estar isolado. Dessa forma podemos concluir que o aterramento temporário sempre deve ter a capacidade de conduzir a máxima potência do sistema.aterramento temporário

 

Eletrodo de Aterramento

eletrodo de aterramento

 

É um ponto importantíssimo em uma instalação, durante algum tempo muitas pessoas acreditavam que usar ferragens das caixinhas das tomadas, ou das tubulações eram o necessário para criar um aterramento elétrico eficiente. No passado isso acabava sendo a única saída. Nos tempos atuais a haste de aterramento é de fundamental importância, a haste de aço com revestimento de cobre, é a mais usada, porém, é importante saber quando usar ou não esta haste, e principalmente, como deve ser a configuração usada. Um sistema eficiente deve ser baseado em normas   que tratam sobre os tipos de eletrodos permitidos para o sistema de aterramento.

Como fazer quando uma casa não possui o sistema de Aterramento?

 

Como localizar um fio terra

O padrão de fiação estabelece um código de cores para a instalação elétrica em instalações elétricas prediais e residenciais. Desta forma, cada cabo possui uma cor específica de acordo com sua função. O neutro é azul, o fio da fase é marrom, cinza ou preto, e o fio terra é sempre verde ou verde e amarelo. Graças a esse código, é fácil localizar cada cabo quando você quiser fazer um reparo ou instalar um nova tomada. Mas fique atento pois pode acontecer da instalação elétrica ou o quadro de distribuição ser antigos e o fio terra não estar nas cores devidas, sendo assim fora dos padrões da norma.

Qual a função do fio terra

A principal função do fio terra é proteger as pessoas de qualquer vazamento de corrente. Ele se conecta a todas as massas e descarrega o excesso de eletricidade em um metal enterrado no solo. Todas as novas instalações devem ter uma conexão de terra para evitar a passagem de corrente para as pessoas e garantir sua proteção contra derivação acidental.

Conheça também o nosso curso de eletricista: http://www.cursodeeletricista.net/

Para medir a resistividade do solo, ligue o equipamento de medição e leia o valor da resistência em ohms. Neste caso, a leitura da resistência é de 100 ohms. Acompanhe abaixo:

A = 3 metros e
R = 100 ohms

Então, a resistividade do solo irá equivaler a:

r= 2 x p x A x R
r = 2 x 3.1416 x 3 meters x 100 ohms
r= 1885 ?m

 

Conheça: curso de Eletricista  grátis da Engehall