Aterramento Temporário

aterramento temporario

Aterramento temporário

O trabalho realizado em uma instalação elétrica apresenta diversos riscos para a vida dos trabalhadores, mesmo quando a rede de distribuição está desligada. Isso devido à complexidade dos sistemas e à possibilidade de uma energização acidental, por exemplo, por uma descarga atmosférica ou por algum erro de um dos profissionais envolvidos.

 

 

Assista o vídeo sobre aterramento

Definição de aterramento temporário

Para que seja possível um maior grau de segurança para os trabalhadores é necessário que sejam colocados em prática vários meios de segurança no ambiente de trabalho. Um dos principais é o aterramento temporário do circuito ou do sistema. O aterramento é a ligação do equipamento ou de toda a rede condutora de energia com a terra através de cabos condutores, isso é feito para que seja possível a fuga de corrente para a terra. Dessa maneira, caso existam cargas passando pelo equipamento, em áreas expostas ao contato, elas não são transferidas para o corpo dos trabalhadores, mas sim para a terra.

O aterramento deve ser feito antes e depois do ponto de intervenção do circuito e derivações se houver, salvo quando a intervenção ocorrer no final do trecho. Ou seja, o ponto de trabalho deve ficar isolado. Além disso, o aterramento temporário deve, necessariamente, ter a capacidade de conduzir a máxima potência do sistema.

A energização acidental pode ser causada por:

• Erros na manobra.
• Fechamento de chave seccionadora.
• Contato acidental com outros circuitos energizados, situados ao longo do circuito.
• Tensões induzidas por linhas adjacentes ou que cruzam a rede.
• Fontes de alimentação de terceiros (geradores, Nobreaks, UPS).
• Linhas de distribuição para operações de manutenção e instalação de transformador.
• Torres e cabos de transmissão nas operações de construção de linhas de transmissão.
• Linhas de transmissão nas operações de substituição de torres ou manutenção de componentes da linha.
• Descargas atmosféricas.

Tipos de aterramento temporário

Para cada classe ou tipo de tensão existe um tipo de aterramento temporário. O mais usado em trabalhos de manutenção ou instalação nas linhas de distribuição é um conjunto ou ‘Kit’ padrão composto pelos seguintes elementos:

• vara ou bastão de manobra em material isolante, com cabeçotes de manobra.
• grampos condutores – para conexão do conjunto de aterramento com os condutores e a terra.
• trapézio de suspensão – para elevação do conjunto de grampos à linha e conexão dos cabos de interligação das fases, de material leve e bom condutor, de maneira a permitir a perfeita conexão elétrica e mecânica dos cabos de interligação das fases e descida para terra.
• grampos – para conexão aos condutores e ao ponto de terra.
• cabos de aterramento de cobre, extra flexível e isolado.
• trado ou haste de aterramento – para ligação do conjunto de aterramento com o solo, deve ser dimensionado para propiciar baixa resistência de terra e boa área de contato com o solo.

Nas subestações, por ocasião da manutenção dos componentes, se conecta os componentes do aterramento temporário à malha de aterramento fixa já existente. Todo o aparato de aterramento temporário deve ser removido ao final dos serviços e antes da liberação para energização do circuito.

Matricule-se no curso nr 10 online da Engehall.

Veja também: Aterramento

Conheça também o nosso curso de eletricista

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *