Aterramento Elétrico [Tudo que você precisa saber]

Aterramento elétrico – Você sabe realmente a importância desse sistema? Nesse artigo iremos mostrar tudo o que você precisa saber a respeito. Continue lendo…

Como fazer um Aterramento elétrico

 

Aterramento Elétrico: O que é ?

Consiste na ligação do sistema e/ou dos equipamentos a terra, através de um componente condutor, para que seja possível o escoamento de cargas de fuga do sistema. Portanto os profissionais ficam protegidos contra choques elétricos acidentais oriundos de falhas ou condições diferentes das normais de trabalho.

Aterramento elétrico é uma das medidas mais seguras quando falamos em atuar com a eletricidade, Assim garante o bom funcionamento das instalações, sem falar que atende as exigências das normas vigentes.

Significado de Aterramento Elétrico segundo a ABNT

Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) aterrar significa colocar instalações e equipamentos no mesmo potencial da terra. Fazendo isso, em casos de uma fuga de corrente elétrica, a eletricidade tende a ir para o menor potencial, ou seja, a terra que tem o potencial próximo de zero.  Finalmente os profissionais ou pessoas que realizam trabalhos ou ficam próximos a  equipamentos energizados não recebem o choque elétrico.

Qual é seu objetivo

Assim, podemos dizer que o objetivo do aterramento pode ser dividido em três partes, sendo:

  • Proteção da integridade dos profissionais da área, usuários e animais;
  • Permitir um  funcionamento adequado dos dispositivos;
  • Realizar a descarga de energia elétrica indesejada das carcaças de equipamentos.

Aterramento Elétrico: Protege a sua integridade física

A maioria das pessoas sabem que o objetivo do sistema de aterramento elétrico é garantir a segurança das pessoas que interajam com a energia elétrica de forma doméstica ou profissional. Esse assunto na abordado na NBR 5410 e também na Norma Regulamentadora NR10.

Um fator muito importante para o bom funcionamento de equipamentos elétricos é o aterramento elétrico

Você sabe como funciona os dispositivos de proteção?

Os fusíveis, disjuntores ou similares, seja por sobrecarga ou corrente de curto circuito, sempre irão depender do aumento da corrente, portanto, caso não exista o sistema de aterramento elétrico, não ocorrerá a vazão corrente elétrica. Se utilizarmos uma geladeira como exemplo, e supondo que seu motor possua uma corrente de fuga e não haja um sistema adequado de aterramento, está sobrecarga será descarregada no momento em que essa pessoa tocar a carcaça e receber o choque que será direcionado para a terra.

Tipos de Aterramento

Funcional

Ligação através de um dos condutores do sistema neutro.

Proteção

Ligação à terra das massas e dos elementos condutores estranhos à instalação.

Temporário

São as ligações da elétrica efetivadas utilizando baixa impedância intencional à terra, a intenção é garantir a equipotencialidade continua durante todas as intervençoes nas instalações elétricas.

São utilizados diferentes esquemas, os métodos apresentados são caracterizados pelo aterramento do neutro da BT de um transformador AT/BT e também das partes metálicas expostas da instalação BT. O uso desses métodos é orientado a partir das medidas necessárias para a proteção contra os riscos de contatos indiretos. Quando necessário, podem ser aplicados mais de um aterramento nas instalações.

Para a construção de um sistema de proteção confiável, é especialmente relevante que os profissionais sejam capacitados e qualificados, devendo ter o curso NR10 e também cursos específicos na área, este serviço não pode ser feito por amadores. Portanto profissionais que estão sempre se atualizando acabam saindo na frente.

Aterramento de acordo com a NBR 5410

Conforme a NBR 5410 Instalações  de baixa tensão devem obedecer, em relação ao aterramentos funcional e de proteção, a 3 (três) esquemas básicos TT, TN e IT, observando a simbologia  conforme abaixo:

Primeira letra –  Alimentação em relação a terra:

T – um ponto que está aterrado diretamente
I – ponto não aterrado

Segunda letra – situação das massas em relação à terra:
T – diretamente aterradas (qualquer ponto)
N – ligadação feito no ponto aterrado de alimentação  (não existe aterramento próprio)
I – As massas são isoladas, e não são aterradas

Outras letras – definem a forma de aterramento da massa, com o aterramento da fonte de alimentação:

S – proteção e neutro (PE) por condutores separados
C – proteção e neutro, são feitos  em apenas um condutor (PEN).

 

Esquemas de aterramento elétrico

Esquema  TN

O esquema TN possui variações para uma melhor aplicabilidade. Conforme este esquema a seguir, você pode observar que a fonte de alimentação deve ser diretamente aterrada como no esquema TT. Outro detalhe é que nesta instalação, as partes metálicas são expostas e as partes metálicas que não pertencem a instalação são conectadas ao condutor neutro pelos condutores que fazem a proteção.

Esquema  TN-C

Esquema de aterramento TN-C

 

Observe que neste esquema as funções de neutro e de proteção são conjugados em somente um condutor que deve ser  nomeado como condutor de proteção neutro que possui a sigla PEN. Ele precisa estabelecer um ambiente equipotencial eficaz com a utilização de eletrodos espaçados regularmente.

É importante destacar que este esquema não é aceito a condutores de seção inferior a 10mm² e para os equipamentos portáteis e flexíveis. Assim, em locais onde existe risco de incêndio o uso é proibido, devido as suas características para estas situações nas instalações elétricas  residenciais e prediais.

Esquema  TN-S

Aterramento tn-s

Para o aterramento TN-S, condutores de proteção e neutro são separados.  Em circuitos elétricos  de cobre com seções menores que 10mm² e também nos condutores de alumínio e em equipamentos móveis 16mm², tem a obrigatoriedade de usar condutores separados PE e N.

 

Esquema TN-C-S

aterramento tn-c-s

 

Podendo ter a sua utilização em uma mesma instalação os esquemas TN-C e TN-S, fazem com que as funções de neutro e de proteção sejam combinadas em um único condutor. Dessa forma, o esquema TN-C não deve jamais ser usando no fluxo do sistema TN-S. A separação do ponto do condutor PE com o condutor PEN normalmente é na origem do sistema.

Existem também:

Esquemas TT
Esquemas TT

Aterramento temporário

É mais comum em redes de distribuição e visa dar maior segurança para os profissionais que atuam na área elétrica. O aterramento é a ligação do equipamento ou de toda a rede condutora de energia elétrica com a terra, através de cabos condutores, isso é necessário para que a fuga de corrente seja direcionada para a terra.

Devido a esse procedimento, na existência de carga elétrica circulando em áreas expostas que possa ocorrer o contato do trabalhador ou terceiros com a energia elétrica, elas são transferidas para a terra evitando o choque elétrico.

Todos os procedimentos de aterramento devem ser realizados antes e depois dos trechos de intervenção do circuito, exceto quando ocorrer no final do trecho. O ponto de trabalho deve sempre estar isolado. Dessa forma podemos concluir que o aterramento temporário sempre deve ter a capacidade de conduzir a máxima potência do sistema.aterramento temporário

 

Eletrodo de Aterramento

eletrodo de aterramento

 

É um ponto importantíssimo em uma instalação, durante algum tempo muitas pessoas acreditavam que usar ferragens das caixinhas das tomadas, ou das tubulações eram o necessário para criar um aterramento elétrico eficiente. No passado isso acabava sendo a única saída. Nos tempos atuais a haste de aterramento é de fundamental importância, a haste de aço com revestimento de cobre, é a mais usada, porém, é importante saber quando usar ou não esta haste, e principalmente, como deve ser a configuração usada. Um sistema eficiente deve ser baseado em normas   que tratam sobre os tipos de eletrodos permitidos para o sistema de aterramento.

Como fazer quando uma casa não possui o sistema de Aterramento?

 

Como localizar um fio terra

O padrão de fiação estabelece um código de cores para a instalação elétrica em instalações elétricas prediais e residenciais. Desta forma, cada cabo possui uma cor específica de acordo com sua função. O neutro é azul, o fio da fase é marrom, cinza ou preto, e o fio terra é sempre verde ou verde e amarelo. Graças a esse código, é fácil localizar cada cabo quando você quiser fazer um reparo ou instalar um nova tomada. Mas fique atento pois pode acontecer da instalação elétrica ou o quadro de distribuição ser antigos e o fio terra não estar nas cores devidas, sendo assim fora dos padrões da norma.

Qual a função do fio terra

A principal função do fio terra é proteger as pessoas de qualquer vazamento de corrente. Ele se conecta a todas as massas e descarrega o excesso de eletricidade em um metal enterrado no solo. Todas as novas instalações devem ter uma conexão de terra para evitar a passagem de corrente para as pessoas e garantir sua proteção contra derivação acidental.

Conheça também o nosso curso de eletricista: http://www.cursodeeletricista.net/

Para medir a resistividade do solo, ligue o equipamento de medição e leia o valor da resistência em ohms. Neste caso, a leitura da resistência é de 100 ohms. Acompanhe abaixo:

A = 3 metros e
R = 100 ohms

Então, a resistividade do solo irá equivaler a:

r= 2 x p x A x R
r = 2 x 3.1416 x 3 meters x 100 ohms
r= 1885 ?m

Saiba mais…

 

20 respostas
  1. Mylene Rocha says:

    Estou com uma dúvida, no quadro de distribuição, eu necessito de um barramento específico para aterrar? os cabos sairão das tomadas, chuveiros e demais circuitos que precisam do aterramento?

  2. Wagner says:

    Olá…
    Localizado no quadro de distribuição há dois barramentos (neutro e terra), logicamente o neutro e ligado no barramento neutro e o aterramento e ligado no terra, vindo da haste de cobre lá de fora. Pergunto, pode, ou é normal, é permitido fazer um jumper ligando esses dois barramentos que estão no quadro? Poderia dar o seu comentário?

    • Inside Brasil. says:

      Não,você tá equivocado se vc conetar novamente no QDC ele não e mais tn-s e sim tnc-c-s.
      VC não precisa conecta-lo novamente no qdc,equipotenciar,pois neutro e terra já estão aterrado no mesmo ponto lá no medidor.

  3. Neimar says:

    Gostaria de saber qual o melhor tipo de aterramento sendo separado do medidor ex.: Casa 25 m de distância do medidor, para casa um cabo aereo de 16 mm 3 fases mais neutro. Na edificação aterramento em tomadas com dps, dr e circuitos separados, pra fazer o aetrramento qual melhor e forma de fazer?

  4. Ramiro Gusmão Pinheiro says:

    Estabilizador de computador pode proteger contra Raios qualquer tipo de descarga elétrica? O barramento do terra
    Preparar o solo para receber a barra de aterramento para ter um melhor eficiência e transferências de energia?
    tipo de fio é melhor para utilizar para fazer conexão do aparelho com fio terra?
    O fio terra do padrão de luz pode proteger contra raios na rede elétrica de uma residência?

  5. NEILTHON LOPES says:

    Excelente o vídeo, PARABENS como sempre ! fiz o curso online da engehall, depois de ter feito o curso no SENAI de Sao Paulo com cargo horaria de 160h muito bom tambem, e nao me arrependi nem um pouquinho!.
    Pois bem falando de aterramento, no mundo dos sonhos quando vc chega em uma casa o Ideal seria que os cabos fossem identificados conforme a NR 5410, mais “ca pra nos eletricistas”, isso e como achar uma agulha no palheiro!…
    Qual a dica para identificar :
    1) se o Imóvel possui aterramento;
    2) Solução para as casas que o conduite e de 1/2″ …(qubrar tudo e claro! , mas para o cliente isso nao e tao simples assim)

    Abraco a todos….

  6. Lucas Viana says:

    Eae André tudo bem?
    Deixei um comentário ontem no seu vídeo https://www.youtube.com/watch?v=OAK6Rk0vzVk, pois percebi um erro grave na instalação do DR, onde o modo de ligação do DR ficou com o sistema de aterramento TN-C (6 min do vídeo), sendo assim, o risco esta no rompimento do cabo PEN, pois se isso acontecer a fase será direcionada para a carcaça, e se alguém levar um choque por nesta carcaça, o DR não desarmaria.
    Faz um vídeo falando que o TN-C tem que virar TT, conforme a NBR 5410 estabelece no item 5.1.2.2.4.2, na alineá f, na nota 1 e 2. Gosto muito de seus vídeos, mas tire este do ar, por questão de segurança.

  7. Sidinei Capeline says:

    Boa noite André, cada vez que eu vejo os seus vídeos me apaixono mais pela eletrônica. Não sou profissional da área, mais faço bastante coisa, vamos direto ao assunto.
    Meu sogro queria trocar toda rede elétrica de sua casa, e eu falei que faria, eu então o primeiro passo foi colocar na cabeça dele que teria que aumenta a carga, a segunda foi colocar um quadro de disjuntores e a terceira foi colocar na cabeça dele que teria que ter aterramento , ele falava que não ia gastar dinheiro com isso, aí veio uma maneira de não gastar tanto, tinha um fio de 6 mm sobrando comprei uma haste de cobre de 1.50 mt e enfinquei ( solo com muita umidade )o mais próximo da caixa de distribuição, liguei junto a haste o neutro 10mm que passa ao lado e o fio terra de 6mm para o quadro de disjuntores. Peguei um pedaço de 6mm e fiz um único circuito para a casa que forrada, sendo que o maior bitola de circuito e do chuveiro 6mm neste cabo de 6mm, e liguei as tomadas com um cabo de 1,5mm junto ao cabo de 6 mm que eu tinha colocado como circuito.
    Aí eu pergunto, e melhor ter isso do que não ter nada.

  8. Guilherme says:

    André poderia fazer um vídeo fazendo os aterramentos na prática? Enterrando as hastes e explicando quantos pontos de aterramento devem ter em uma casa/edifício? Seria legal mostrar como faz na prática o TN-S, TN-C, IT, TT, etc… pois não tenho nenhuma noção de como fazer isso na prática, apenas projetar e projetar sem saber o que está projetando é atirar na própria perna heheh.

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta